(11) 2114-0000
Atendimento de segunda a sexta das 8:30 as 18:00hs
Sacola de Compras

* Calcule seu frete na página de finalização.

* Insira seu cupom de desconto na página de finalização.

30/10/2018

Teve sua carta de crédito contemplada? Veja como funciona a contemplação

O momento “mágico” de um consórcio é quando o consorciado é sorteado ou consegue dar um lance maior. Nessa ocasião, ele recebe a carta de crédito e pode, finalmente, adquirir seu imóvel, veículo, serviço ou que optou em ter.

Com a carta de crédito contemplada o consorciado compra à vista o bem que almeja, podendo negociar algum desconto com o vendedor. Quer saber mais sobre como funciona a contemplação? Acompanhe neste post!

Conheça as formas de contemplação

Em um consórcio, existem duas formas de contemplação. A primeira corresponde aos sorteios, que são realizados mensalmente durante a assembleia ordinária. Todos os consorciados concorrem em iguais condições desde que estejam com suas parcelas pontualmente pagas. O sorteio segue os mesmos padrões dos sorteios da Loteria Federal.

A segunda forma de contemplação é o lance. Nesse caso, o consorciado precisa antecipar as parcelas, portanto não é obrigatória sua participação nos lances, que também acontecem mensalmente durante as assembleias ordinárias. O consorciado só participa se puder e quiser.

Os lances podem ser fixos ou livres. No fixos, um percentual é estipulado para ser possível concorrer. Por exemplo, 30% da carta de crédito. Todos os consorciados que puderem (e quiserem) ofertar esse percentual concorrem à carta de crédito (geralmente, é feito um sorteio envolvendo somente essas pessoas).

O lance livre é livre, ou seja, cada pessoa oferta o que quiser a partir de um valor mínimo definido pela administradora do consórcio.

Há também a possibilidade de dar lances embutidos. Um percentual da própria carta de crédito é ofertado como lance — uma oportunidade para quem não tem muito dinheiro disponível.

Saiba como usar a carta de crédito contemplada

Sendo sorteado ou dando o maior lance, o consorciado recebe a carta de crédito contemplada. Ele pode usá-la para comprar o bem que quiser, desde que esteja enquadrado na mesma categoria do bem ofertado.

Assim, se ele está participando de um consórcio de imóveis poderá comprar qualquer tipo de imóvel, novo ou usado: casa, apartamento, chácara, estabelecimento comercial, terreno — poderá mesmo fazer uma reforma ou construir seu imóvel.

Se estiver participando de um consórcio de veículos, poderá comprar qualquer veículo: automóvel, moto, utilitário, caminhão, lancha, trator ou aeronave. Devido às diferenças de preços, as administradoras costumam oferecer consórcio de veículos em subcategorias, como de carros, veículos pesados, utilitários, aeronaves, embarcações e assim por diante.

Em um consórcio de serviços, a carta de crédito contemplada pode ser usada para tratamentos odontológicos ou estéticos, realização de eventos, viagens, conserto de carros, cursos em geral e outros. Outra boa notícia é que a carta de crédito contemplada também pode ser usada para quitar um financiamento.

Entenda como funciona o pagamento

O consorciado poderá comprar um bem mais caro ou até mais barato. No primeiro caso, deverá completar o que falta. Se for um imóvel residencial, poderá usar o FGTS, se quiser. Se for mais barato, deverá usar o saldo para ajudar a quitar as parcelas restantes do consórcio.

É permitido também usar 10% do valor da carta para cobrir despesas com o bem, como a escritura e o registro do imóvel, pagamento do IPTU, do seguro, licenciamento e emplacamento do carro.

Fique ciente de que o consorciado não recebe dinheiro em espécie. Quem paga o vendedor é a própria administradora, geralmente por meio de depósito/transferência em conta corrente. Se o consorciado não usar logo a carta de crédito, o dinheiro ficará depositado em uma conta poupança aberta em seu nome na Caixa Econômica Federal.

Mesmo depois de ter recebido a carta de crédito contemplada, é necessário continuar pagando as parcelas do consórcio até o final. Caso não o faça, a administradora pode recorrer à Justiça para tomar o bem que já foi comprado; se o consorciado ainda não tiver usado a carta, o dinheiro ficará bloqueado.

Em consórcios imobiliários residenciais também é possível usar o FGTS para quitar as parcelas atrasadas ou o saldo do consórcio.